sábado, 13 de julho de 2013

Como conviver tranquilamente com uma criança de dois anos



Os dois anos são uma idade interessante, porém difícil. Como viver em paz com uma criança de dois anos?

Creio que a primeira coisa que devemos fazer é ter clareza sobre qual é nossa perspectiva a respeito de crianças pequenas e o que a disciplina significa para você e sua família. Por exemplo, exercer uma forma de disciplina mais pacífica (como apresentada aqui) lhe traz medo de que seus filhos não terão limites? Você não consegue visualizar outras ferramentas que substituam o gritar ou o castigo? Pense a respeito!

Lembre-se que as crianças pequenas não são mini-adultos que racionalizam e precisam de informação sobre tudo como nós. É preciso esforço, paciência e muita repetição para guiar uma criança! As crianças precisam ser tratadas com dignidade e respeito, calor e amor. Elas merecem isso, mesmo porque irão imitar sua forma de agir.

Como sempre, tudo começa verdadeiramente com você mesmo(a). Você deve estar o mais centrado(a) possível, pois se achar que vai perder as estribeiras todas as vezes que seu filho(a) de dois anos se descontrolar, será realmente um longo ano. Uma criança de dois anos tem um excesso completo de emoções e impulsos que elas não podem regular de forma alguma. Visualize a si mesmo(a) como uma esponja que suga todas essas emoções em excesso; sim, é exaustivo, mas faz parte de ser pai e mãe. Então parte do seu trabalho interior, que deve ser prioridade, é se fortalecer a fim de poder dar este suporte para a criança. Uma opção que funciona para algumas pessoas (no sentido de se fortalecer para poder dar apoio à criança) é realizar atividades artísticas regularmente, como pintar, desenhar ou esculpir diversas vezes por semana.

Também é essencial ter apoio de pais com opiniões parecidas sobre a criação dos filhos. Não aqueles que dirão “Meu Deus, como esse menino está lhe manipulando!”, mas sim aqueles que compreendem a natureza de uma criança de dois anos e que podem lhe ajudar numa perspectiva amorosa.

É importante saber que as crianças de dois anos têm dificuldade em compreender gestos não verbais, como por exemplo a cara feia que você faz para um mau comportamento. Na verdade a criança de dois anos, na melhor das hipóteses, sabe apenas imitar, e pode até fazer uma cara feia para você como resposta ou qualquer outra coisa que você estiver fazendo naquele momento. Afinal, eles estão lhe imitando e nem sempre fazem ideia de que você está com raiva. Às vezes a criança de dois anos até ri quando a mãe está com raiva. Isso NÃO é uma risada zombeteira ou desafiadora, mas apenas uma demonstração de que a criança sabe que alguma coisa relativa às emoções da mãe está diferente naquele momento, mas não sabe o que fazer ou como consertar. Pense nesse tipo de comportamento como uma expressão de insegurança por parte da criança e tente adequar sua reação de acordo com essa ideia.

Outra questão importante é refletir sobre sua própria postura em relação à raiva. Como você reage no calor do momento? Qual é o seu plano? Que ferramentas você pode usar para ajudar a guiar seu pequeno filho(a) ao invés de gritar e brigar?

Abaixo seguem algumas práticas e ferramentas que podem ser utilizadas para disciplinar seu filho(a) gentilmente e pacificamente (além do seu próprio trabalho interior, é claro):
  • CONEXÃO! Aprecie estar junto do seu filho(a): amamentar, dormir junto, colocar no colo, carregar num sling, brincar junto, comer junto. Se quatro anos ainda é uma boa idade para dar colo, imagine que uma criança de dois anos ainda é muito pequenina! A conexão é de extrema importância!
  • RITMO! Tenha um ritmo diário, especialmente para as horas das refeições e de descanso. E lembre-se que para a criança dormir no horário certo é preciso ter hora certa para acordar também (veja aqui um artigo sobre ritmo: http://acordagirassol.blogspot.com.br/2011/07/trazendo-ritmo-para-vida-do-bebe.html).
  • Cantar e dizer versos ao invés de comandos diretos pode ser muito eficaz. Evite fazer perguntas que você sabe, de antemão, que serão respondidas com um “NÃO!”. Cante, promova o silêncio e pare de ficar fazendo perguntas e mais perguntas (ex: “Você quer isso? Você quer aquilo?” – o melhor é guiar a criança para a ação ou dar o exemplo, como simplesmente colocar o alimento na mesa e começar a comer na frente dela na hora do lanche). E você pode demonstrar o seu amor por meio de sorrisos, carinho, abraços, risadas – não apenas palavras!
  • Falar com a criança por meio de imagens também é muito eficaz. Use a imaginação! Exemplo: “Fulano, venha até aqui pulando com um coelhinho”.
  • Em momentos de crise, tente respirar fundo algumas vezes antes de reagir. E sempre que possível use táticas de distração ou redirecionamento.
  •  Você nunca pode ter medo de pegar no braço uma criança gritando e chutando. A criança de dois anos pode, naquele momento, precisar que você gentilmente a contenha para que volte a si. E se isso não funcionar, procure não ficar tão ansioso(a) para que a criança pare. Simplesmente esteja presente e saiba que essa é uma das formas que a criança usa para colocar para fora o que para ela é, naquele momento, uma torrente de emoções. Fique calmo(a) e espere passar. É claro que é preciso intervir se o local oferece riscos à criança ou se ela está quebrando coisas, levando-a se possível a um outro local (na grama é ótimo!!).
  •  A criança dessa idade precisa passar MUITO tempo fora de casa em locais abertos onde possa se movimentar: no parquinho, na natureza, etc. Ela precisa usar sua energia, empurrar coisas, puxar, se acocorar, etc. Precisa de brincadeiras que estimulem os sentidos: água, areia, lama...
  • Não dê nenhuma escolha, ou poucas. É muito difícil para uma criança de dois anos fazer uma escolha, mesmo que mínima. Inevitavelmente ela vai querer uma coisa e depois a outra e depois vem o desespero, o escândalo! Não coloque a criança nesta situação difícil!
  •  Tente realizar seus compromissos de rua (compras e etc.) sozinho(a), se possível. Isso evita tantos problemas nessa idade!
  • Evite criar a expectativa de que o dia só será “bom” se seu filho(a) de dois anos se comportar completamente e não der nenhum “ataque”. Reformule suas expectativas e avalie o seu dia de acordo com a forma (e a calma!) como você conseguiu lidar com as situações difíceis. E, por favor, perdoe a si mesmo! Nós, como pais, estamos numa jornada que necessita de muito esforço.
  • Não espere que uma criança de dois anos saiba compartilhar bem suas coisas ou que fique calma e silenciosa enquanto seu irmãozinho mais novo cochila por duas horas, por exemplo.
  • Guie seu filho(a) de acordo com que sua família precisa como um todo.
  •  Não se sinta ofendido(a) se você não for o pai/mãe preferido(a) da semana. Não é pessoal!


Por fim, tente aproveitar essa idade! É preciosa e passa tão rápido!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário